domingo, 24 de abril de 2011

Análise da música - "Estudo errado" - Gabriel - O Pensador



Infelizmente existe uma grande insistência, por parte da maioria dos profissionais da educação, em ainda se implantar um método de ensino pouco dinâmico e sem nenhum atrativo para assegurar os alunos em uma sala de aula, professores despreparados que se asseguram em um  método tradicional de ensino que não funciona, resultando em altos índices de indisciplina e real aumento do desinteresse pela escola, que atinge não só os alunos como também seus pais. Isto, sem mencionar um sistema totalmente fragmentado, embutido de componentes curriculares poucos compreendidos e explorados por professores e alunos. Uma sobrecarga que dificulta muito o vencimento do programa de ensino proposto, ao término do ano letivo.
A falta de contextualização com as experiências e as vivências dos alunos é um fator primordial, pois a pergunta mais vigente realizada pela maioria dos alunos é a de sempre: Por que eu tenho que aprender isso? Também é a mesma explorada na  música “Estudo errado” do cantor e compositor Gabriel – O pensador, onde o músico questiona o  verdadeiro papel da escola, quanto a preparação dos alunos para a vida, em seus versos criativos: “O problema é que sem motivação a gente enjoa.”, ou “A maioria das matérias que eles dão eu acho inútil.”; bem articulados na letra da música,  mostrando muito  bem a deficiência do sistema de ensino à essa questão.
O  enraizamento de métodos clássicos oriundos do período grego,  onde  disciplinas, consideradas extremamente importantes para atender as necessidades da sociedade da época, eram ensinadas através da dissociação das matérias como partes, para posteriormente buscar o entendimento do todo (modelo cartesiano de René Descartes);  ainda  muito forte em nosso sistemas de ensino.  Sistema de ensino que necessita de um olhar mais atualizado quanto a sua aplicação, para que os alunos possam realmente usufruir do conhecimento adquirido no espaço escolar, num    mundo exigente e totalmente contextualizado, onde as informações são transmitidas em tempo real. 
As escolas estão passando por momentos de transformações, mas ainda “engatinhando” rumo a um trabalho contextualizado, interdisciplinar e transversal. Pois o próprio sistema de ensino estipulado, age como vilão frente a esses problemas, pois engessam a produção de professores e alunos que tentam arduamente vencer  os conteúdos propostos pelo programa de ensino vigente. Não sobrando espaço para uma efetiva participação de professores e alunos rumo à construção do  conhecimento individual e coletivo.
O sistema educacional brasileiro necessita de uma análise dos seus objetivos quanto a aprendizagem de conteúdos e disciplinas.  Será que realmente o que está proposto nos programas de ensino vem de encontro com as necessidades de todos os alunos? Para todas as classes sociais? Pra quem estamos ministrando essas aulas? O que queremos dos nossos alunos? Ensiná-los para realmente para a  vida? O Ensino deve ser instrutivo e formativo, buscando sempre  aulas mais atrativas e dinâmicas que despertem o interesse dos alunos, amenizando assim alguns problemas antigos ligados ao desinteresse e a indisciplina.
“O sistema bota um monte de abobrinha no programa...mas eu prefiro que eles ensinem alguma coisa que preste.” -   Gabriel – O Pensador.



Texto escrito por Maykon de souza

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário